LCA não operatório

PDF Imprimir E-mail

O objetivo do tratamento não operatório é conseguir estabilidade funcional. Os sintomas são tratados durante a reabilitação.

A base do tratamento consiste em reforço e equilíbrio dos músculos anteriores da coxa (quadríceps) e posteriores (isquiotibiais), atenção à articulação patelofemoral, treino proprioceptivo ("reflexos") e melhora da função articular. Essa evolução varia de paciente para paciente.

As primeiras medidas em uma lesão aguda (recente) consiste em procedimentos para diminuir a dor e restaurar o movimento.

Essas medidas incluem repouso, gelo, antiinflamatórios não hormonais, fisioterapia e analgésicos. Muletas e joelheiras são úteis para poupar e limitar o movimento porem devem se estender por curto espaço de tempo.

Com exceção de lesões associadas dos ligamentos colaterais, imobilizadores não são necessários por tempo prolongado pois induzem à artrofia muscular e desequilíbrios funcionais futuros, associado a um joelho mais "rígido" o que dificulta o tratamento. Nesse período os pacientes são orientados à atividades que não envolvam riscos de piora da lesão.

Na fase intermediaria da reabilitação os objetivos são: ganho de movimento, reeducação da marcha, fortalecimento muscular e propriocepção.

A partir do momento que o derrame articular ("inchaço") esta controlado iniciam-se movimentos com total amplitude, bicicleta, natação e esportes leves em superfícies regulares.

Na fase tardia inicia-se treinamento atlético. O tratamento dura em torno de 6 a 12 semanas.

O método objetivo de alta é quando a força muscular do lado lesado esta 90% em relação ao joelho bom. Joelheiras funcionais podem diminuir as chance de trauma rotacionais porem sem comprovação e efetividade em alta demanda de movimento.

Em casos em que o tratamento não operatório não é efetivo devido a recorrentes episódios de instabilidade (falseio) eventualmente durante atividades de vida diária, a reconstrução cirúrgica esta indicada.

Em nosso grupo desenvolvemos o protocolo "PROGRAMA DE PROTEÇÃO LIGAMENTAR (P.P.L.)" cujo objetivo é manter o joelho protegido, ou seja, não piorar as lesões existentes até que o tratamento definitivo seja instituído.

É importante enfatizar que os episódios de movimento anormal ("sensação de falseio" ou "joelho sair do lugar") reproduzem movimentos rotatórios anormais com comprometimento dos meniscos e cartilagem articular que determinam o aparecimento da artrose (desgaste articular) precoce.

Portanto o tratamento cirúrgico deve ser considerado em todas as fases evolutivas do tratamento conservador.